nível acima | página inicial | mapa do site | links | e-mail


Escândalos: cortar as mãos

Sérgio Biagi Gregório

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito. 3. O Texto Evangélico. 4. O Problema do Escândalo: 4.1. Tipos de Escândalo: 4.2. Queda do Airbus 320 da TAM; 4.3. O Escândalo Exige Reparação. 5. O Escândalo no Velho e no Novo Testamento: 5.1. No Velho Testamento; 5.2. No Novo Testamento; 5.3. Jesus é Sinal de Contradição. 6. Subsídios Doutrinários: 6.1. Necessidade do Escândalo; 6.2. O Escândalo Durará para Sempre?; 6.3. A Simbologia do Cortar as Mãos. 7. Conclusão.

1. INTRODUÇÃO

Presentemente, ao ouvirmos a palavra escândalo, associamo-la à corrupção, aos desleixos, aos erros crassos de nossos governantes. O que, concretamente, significa a palavra escândalo? Temos necessidade da sua existência? Que subsídios a Doutrina Espírita nos oferece para uma melhor compreensão do tema?

2. CONCEITO

Escandalizar. Dar, com o próprio exemplo, ensejo que outrem caia no erro ou "pecado".

Escândalo. Do gr. skándalon, pelo lat. scandalu. É a armadilha que se põe no caminho do inimigo para fazê-lo cair. É aquilo que dá o que falar, que causa indignação por ser contrário à moral, à honestidade, aos bons costumes, à justiça, às leis etc. No sentido espiritual e moral, é todo o obstáculo que, com sua conduta, uma pessoa pode representar para a vida ou a moralidade de outras pessoas.

Nas traduções mais recentes e mais fiéis da Bíblia, a palavra escândalo está expressa por tropeço (na tradução em Esperanto falilo), querendo significar que Jesus se referia a tudo o que leva o homem à queda: o mau exemplo, princípios falsos, abuso do poder etc.

3. O TEXTO EVANGÉLICO

"Se vossa mão é motivo de escândalo, cortai-a" é um subtítulo do capítulo VIII, Bem-Aventurados os Puros de Coração, de O Evangelho Segundo o Espiritismo, de Allan Kardec. O texto está expresso nos seguintes termos:

"Se vossa mão ou vosso pé é um motivo de escândalo, cortai-os e atirai-os longe de vós; é bem melhor para vós que entreis na vida não tendo senão um pé ou uma só mão, do que terdes dois e serdes lançados no fogo eterno. E se vosso olho vos é motivo de escândalo, arrancai-o e lançai-o longe de vós; é melhor para vós que entreis na vida não tendo senão um olho, que terdes os dois e serdes precipitados no fogo do inferno". (Mateus, 5, 29 e 30)

4. O PROBLEMA DO ESCÂNDALO

4.1. TIPOS DE ESCÂNDALO:

1) escândalo previsto, mas não desejado. Quando, por dever de ofício, sujeitamos alguém ao ridículo.

2) escândalo previsto e desejado. Pode ser por interesse pessoal (obtermos alguma vantagem na queda do nosso próximo) ou para danificá-lo espiritualmente.

3) escândalo passivo. Quando o recebemos em razão da nossa fraqueza ou ignorância. (Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura)

4.2. QUEDA DO AIRBUS 320 DA TAM

Em 16/07/2007, a cidade de São Paulo ficou estarrecida com o a queda do Airbus 320 da TAM, em que desencarnaram mais de 200 almas. Pergunta-se: um desastre, como este, pode ser considerado um escândalo? Sim? A possibilidade do abuso de poder – econômico e político – não pode ser descartada, pois a pista, ainda não concluída, fora liberada para vôos e decolagens. Alguém provocou este mal. Deverá sofrer as conseqüências do mal praticado.

4.3. O ESCÂNDALO EXIGE REPARAÇÃO

Venha de onde vier, uma coisa é certa: o escândalo exige reparação que deve ser proporcional ao mal causado. É a lei de ação e reação, de causa e efeito. Na linguagem evangélica, quando uma semente é lançada ao solo, ela dará os seus frutos. Quem plantar as sementes do bem colherá o bem; quem plantar as do mal, colherá o mal. A escolha é nossa. Contudo, uma vez lançada, seguirá o seu curso necessariamente.

5. O ESCÂNDALO NO VELHO E NO NOVO TESTAMENTO

5.1. NO VELHO TESTAMENTO

No antigo testamento, Deus é a causa de escândalo para Israel. Jeová põe à prova a fé do seu povo. A Lei de Deus, descrita nos Dez Mandamentos, está em íntima relação com a Aliança. Na Aliança, Deus faz promessas, mas estabelece condições: Israel deverá obedecer à sua voz e observar as suas prescrições, caso contrário cairão sobre Israel as maldições divinas. Essa ligação entre a Lei e a Aliança explica que em Israel não haja outra lei que a de Moisés, pois Moisés é o mediador da Aliança.

5.2. NO NOVO TESTAMENTO

A palavra escândalo encerra, no Novo Testamento, um duplo sentido: de um lado, a idéia de que Cristo veio para constituir o escândalo central do homem; de outro lado, a idéia do mal moral que existe em nós e que é preciso desfazer. Quanto ao Cristo, toda a vez que ele apresentava o desprendimento das riquezas e dos bens terrenos, era um escândalo para o povo romano, apegado a tais bens. Quanto a nós, é a necessidade do mal (escândalo) para que nos ajustemos ao bem.

5.3. JESUS É SINAL DE CONTRADIÇÃO

Fora enviado para salvação, mas constitui-se no endurecimento de muitos. Quer salvar o mundo não por qualquer messianismo vingador, ou político, mas pela Paixão e pela Cruz. "Este menino é para a queda e o reerguimento de muitos em Israel; ele será um sinal sujeito a contradição". (Lucas, 2,34)

Certa feita, disse: "Não vim trazer a paz, mas a divisão".

Paulo descobriu que Cristo ou a cruz é "loucura para os que se perdem, mas para os que se salvam ela é o poder de Deus".

Por ter sido incompreendido, mesmo pelos seus discípulos, vimos Judas Iscariotes vendendo-o por trinta dinheiros. (Léon-Dufour, 1972)

6. SUBSÍDIOS DOUTRINÁRIOS

6.1. NECESSIDADE DO ESCÂNDALO

É necessário que o escândalo venha, mas ai daquele por quem o escândalo venha. Por estas palavras, entende-se que o mal é necessário à justiça divina. Contudo, aquele que o praticou para servir à justiça divina não praticou menos mal, e deverá ser punido, pois o mal é sempre mal. Por isso, o cuidado de Jesus em dizer: "Se vossa mão, vosso pé e vossos olhos forem motivos de escândalo (mal), cortai-os e lançai-os longe de vós". Quer dizer, arranquemos o mal pela raiz, pois ele está dentro de nós.

6.2. O ESCÂNDALO DURARÁ PARA SEMPRE?

O mal, sendo necessário à justiça divina, dir-se-á que ele durará para sempre, pois, se desaparecesse, Deus estaria privado de um poderoso meio de punir os culpados. Mas, em realidade, não é assim que sucede, porque os mundos progridem moral e intelectualmente. Nos mundos mais avançados, o mal não existe e, portanto, não há necessidade de castigos. O mesmo sucederá com o planeta Terra, quando passar para um mundo de regeneração, em que o bem será a tônica de nossas ações.

6.3. A SIMBOLOGIA DO CORTAR AS MÃOS.

Se vossa mão é causa de escândalo, cortai-a. Não devemos tomá-la ao pé da letra. Ela significa que todos nós devemos destruir em nós a causa da mal. Nos dizeres do evangelho: "Arrancar do coração todo sentimento impuro e toda tendência viciosa. Quer dizer também que, para o homem, mais vale ter cortada uma das mãos, antes que servir essa mão de instrumento para uma ação má; ficar privado da vista, antes que lhe servirem os olhos para conceber maus pensamentos. Jesus nada disse de absurdo, para quem quer que apreenda o sentido alegórico e profundo de suas palavras".

7. CONCLUSÃO

Estudemos o Evangelho de Jesus e coloquemos em prática os seus ensinamentos. Tendo-o como norma de conduta, evitaremos o escândalo do "pecado" e da "concupiscência".

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

ENCICLOPÉDIA LUSO-BRASILEIRA DE CULTURA. Lisboa: Verbo, [s. d. p.]

GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, [s.d. p.]

KARDEC, A. O Evangelho Segundo o Espiritismo. 39. ed. São Paulo: IDE, 1984.

LEON-DUFOUR, X. et al. Vocabulário de Teologia Bíblica. Rio de Janeiro: Vozes, 1972.

São Paulo, julho de 2007




mapa do site | página inicial | pesquisa no site