nível acima | página inicial | mapa do site | links | e-mail


Reflexões sobre a Paz

Sérgio Biagi Gregório

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito. 3. Histórico. 4. Pesquisas sobre a Paz: 4.1. O Sistema Guerra-Paz; 4.2. A Guerra como Mal Necessário; 4.3. A Paz como Meio. 5. O Discurso Teológico e Filosófico: 5.1. Pacem in Terris; 5.2. A Paz Bíblica; 5.3. Não-Violência. 6. As Contribuições Espíritas: 6.1. Sigamos a Paz; 6.2. Refugia-te em Paz; 6.3. Viver em Paz. 7. Conclusão. 8. Bibliografia Consultada.

1. INTRODUÇÃO

As guerras são injustas? A paz é sempre justa? Se a paz é uma aspiração da Humanidade, por que a história é repleta de guerras? Onde se pode encontrar a causa da guerra? Será a guerra um fator de desenvolvimento econômico e social? Eis algumas das muitas questões que poderíamos formular. Nosso propósito é discutir este tema sob três ângulos: pesquisas sobre a paz, o discurso teológico e filosófico e a contribuição do Espiritismo.

2. CONCEITO

A palavra paz, do latim pax, pacis, assume diversos sentidos. Genericamente é a ausência de conflitos, estabelecimento da ordem entre a parte e o todo, chegando a confundir-se com o conceito de felicidade. Há uma dimensão interna, regulada pela moral e uma dimensão externa, regulada pelo direito internacional. Em se tratando da "pesquisa sobre a paz", é sempre definida em função da definição de guerra. O binômino "paz-guerra" dá-nos a entender que ora a palavra paz assume papel negativo e ora positivo. Vejamos: no sentido geral, define-se paz com o sentido negativo, ou seja, a palavra guerra é que assume o papel relevante. No sentido estrito, a paz assume papel positivo, como quando se quer por fim a um conflito particular. (Bobbio, 1986)

Para o Cristianismo, e também para o Espiritismo, a paz é o esforço despendido para desenvolver a inteligência e alcançar as culminâncias da bondade, da justiça, do amor e da fraternidade.

3. HISTÓRICO

O fenômeno guerra acompanha a Humanidade desde os seus primórdios. Do "homem das cavernas" ao "homem informatizado", a Humanidade viu surgir e desaparecer civilizações, impérios atingiram o apogeu e viveram a decadência, invenções tornaram menos difícil a sobrevivência do ser humano. Ao longo dos séculos, uma das poucas características presentes em todos os momentos foi a disposição dos povos para a guerra. Não faltam motivações - ou justificativas - para os conflitos. Razões políticas, econômicas, religiosas, culturais ou históricas surgem tentando explicar o que leva um povo a lutar contra outro ou ainda entre si.

Neste grande mosaico de explicações, o próprio conceito de guerra se amplia. Mas um elemento é comum às várias interpretações: a paz é muito mais uma aspiração, pois o normal é a guerra. Reforçando tal idéia surge um dado histórico assustador. Em 35 séculos, o mundo só teve 268 anos sem batalhas, combates, morte e destruição.

Depois das duas grandes guerras mundiais, chegamos ao século 21, impregnado de muitas transformações para o que costumávamos chamar de guerra. Os ataques de 11 de setembro de 2001 tornaram mundial um inimigo que antes era visto como problema localizado: o terrorismo. (http://www.multirio.rj.gov.br/seculo21)

4. PESQUISAS SOBRE A PAZ

As discussões a respeito da "Pesquisa sobre a Paz" começaram nos anos que antecederam a 2.ª Guerra Mundial, em que os psicólogos, psicólogos sociais e os políticos aplicaram os métodos de pesquisa das ciências sociais aos estudos dos fenômenos da guerra e da paz, no sentido de buscar uma solução pacífica dos conflitos internacionais.

4.1. O SISTEMA GUERRA-PAZ

O sistema guerra-paz é freqüentemente comparado com a estrutura de conflito e não conflito.

Graficamente:

 

 

Atividades Humanas

 

 

 

Não-Conflito

Paz

Conflito

 
Guerra

As atividades humanas podem ser classificadas como conflituais e não conflituais. As não conflituais são catalogadas como comer, beber, procriar, passear, trabalhar etc. As conflituais são aquelas em que o aumento do bem-estar de alguém diminui o bem-estar do outro. O conflito acaba sendo uma situação de redistribuição, em que uns ganham e outros perdem. O conflito e o não-conflito não são sinônimos de guerra e paz. O que podemos afirmar é que toda a situação de não-conflito gera necessariamente a paz; já, a situação de conflito pode gerar a guerra ou a paz, dependendo dos interesses e tabus envolvidos nas negociações. (Boulding, 1979, cap. 1)

4.2. A GUERRA COMO MAL NECESSÁRIO

É o resultado dos ensaios filosóficos em que o progresso econômico e social só é possível através das guerras.

O nexo entre a concepção de guerra como mal necessário e as teorias do progresso social apresentam-se sob três formas:

1) desenvolve energias, virtudes, coragem heróica, o sacrifício de si mesmo pela pátria que com a paz não existiria;

2) unificação de povos distintos, do gênero humano;

3) a inteligência criadora do homem responde com maior vigor e resultados mais surpreendentes aos desafios que o contraste com a natureza ou com os demais homens. (Bobbio, 1986)

4.3. A PAZ COMO MEIO

A paz é considerada um bem insuficiente, pois não pode por si só garantir uma vida social perfeita em que os homens vivam felizes e prósperos. A paz é meio, como justiça, amor, liberdade e bem-estar. O bem que ela defende é o bem da vida. Mas será a vida o maior dos bens? (Bobbio, 1986)

5. O DISCURSO TEOLÓGICO E FILOSÓFICO

5.1. PACEM IN TERRIS

O Papa João XXIII, na sua Encíclica Pacem in terris, enaltece a tarefa de construção constante da paz, dizendo que o sentido dessa luta e desse esforço é criar uma sociedade mais justa e mais igualitária, em que os mais ricos possam auxiliar os mais pobres, os mais inteligentes ensinar os menos e assim por diante. A paz aqui é entendida como uma vocação, um ideal a ser atingido. Em outras palavras é uma potentia que deve se tornar actu.

Nesse mister, a grande façanha da religião é encaminhar o ser humano para o seu lado transcendental, complementando as palavras de Cristo, ou seja, "acima de todo o entendimento". (Idígoras, 1983)

5.2. A PAZ BÍBLICA

O ensinamento bíblico mostra que a história de Israel é uma história humana de lutas. Mas, em meio a essa trama, de uma realidade cheia de poderosos impérios e forças em conflito, vai surgindo a missão de Israel de anunciar o Reino definitivo da paz. Observe que os ensinamentos proféticos são aqueles que realmente aprofundam os valores da paz, pois no meio dos conflitos a paz é dos justos.

O Novo Testamento nos apresenta o cumprimento da esperança escatológica em Cristo. Ele é o prometido príncipe da paz, que veio para redimir os pecados da Humanidade e unir os gentios e judeus, os gregos e os bárbaros. A paz do Cristo não é a paz do mundo, mas a guerra de cada um contra si mesmo e contra todo o mal, fazendo com que possamos ser "promotores da paz". (Idígoras, 1983)

5.3. NÃO-VIOLÊNCIA

A ação política da não-violência assume diversas formas: desde os simples protestos até ação direta como boicotes, greves e campanhas de não-cooperação.

Dentre os grandes homens, adeptos da não-violência, Ghandi é o mais citado. Como sabemos, Ghandi libertou a Índia do poderio militar inglês, sem que fosse preciso pegar nas armas. Nos preparativos, Ghandi e seus seguidores se perguntavam: Você é capaz de suportar o suplício da prisão? Você é capaz de suportar golpes sem retaliação? Ghandi ensinou as pessoas a praticar ahimsa, ou a compaixão amorosa, e a tratar os adversários com respeito e interesse, olhando além da causa que os dividia, para que pudessem ver a humanidade comum a ambos.

6. AS CONTRIBUIÇÕES ESPÍRITAS

6.1. SIGAMOS A PAZ

"Busque a paz e siga-a" – Pedro

O Espírito Emmanuel, comentando este versículo do Evangelho, diz que a maioria de nós deseja tranqüilidade. Para isso, rogamos a Deus a concessão dos bens que poderiam satisfazê-la. Tão logo, porém, o Divino Escultor nos atende, mudamos as nossas atitudes.

Pedimos a fortuna material. Ao nos vermos locupletados de ouro, torturamo-nos em mil problemas por não sabermos distribuir, ajudar, administrar e gastar com simplicidade.

Solicitamos o casamento. Quando o Céu nos felicita com um cônjuge, não sabemos ser irmãos e nos exasperamos continuamente.

Reclamamos títulos públicos. Ao sermos aureolados com a popularidade, não temos paciência para tratar educadamente todos os que nos procuram.

Lembremo-nos de que a paz verdadeira é aquela que resulta do equilíbrio entre os nossos desejos e a os propósitos do Senhor. (Xavier, s.d.p., cap. 79)

6.2. REFUGIA-TE EM PAZ

"Havia muitos que iam e vinham e não tinham tempo para comer" – Marcos, 6, 31.

A mensagem do Espírito Emmanuel exorta-nos a nos retirarmos para um lugar à parte. É que o vaivém dos interesses materiais, na maioria das vezes imediatistas, faz-nos perder os fins últimos da existência, que é a nossa perfeita união com Deus. Ele pede que respeitemos os princípios fantasistas de paz e justiça, de amor e felicidade que o plano da carne nos impõe. Faz-nos ver que, em certas circunstâncias da experiência transitória, eles podem ser úteis, entretanto, não deveríamos viver exclusivamente ao lado deles. (Xavier, s.d.p., cap. 147)

6.3. VIVER EM PAZ

"... Vivei em paz..." – Paulo (II Coríntios, 13,11)

Nesta mensagem o Espírito Emmanuel aconselha-nos a não guerrear com ninguém, embora sejamos a todo o momento hostilizados de mil formas. Diz-nos que aqueles que vem ter conosco aflitos ou desesperados, coléricos ou desabridos, trazem chagas ou ilusões, pois não souberam tolerar a luz da verdade. Orienta-nos a pacificar-lhes a alma, porque agindo assim, estaremos equilibrando a nós próprios. (Xavier, s.d.p., cap. 123)

7. CONCLUSÃO

Todos esses conhecimentos estão nos livros. Basta procurá-los e anotá-los. Contudo, se os mesmos não forem impregnados em nossos sentimentos, o resultado é quase nulo. É por isso que se diz: "Escrever um livro de mil preceitos morais é extremamente fácil; o difícil é colocar em prática apenas um deles".

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

BOBBIO, N. et al. Dicionário de Política. 2. ed. Brasília: UNB, 1986.
BOULDING, K. E. Paz Estável. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
http://www.multirio.rj.gov.br/seculo21
IDÍGORAS, J. L. Vocabulário Teológico para a América Latina. São Paulo: Paulinas, 1983.
XAVIER, F. C. Fonte Viva, pelo Espírito Emmanuel. Rio de Janeiro: FEB, [s.d.p.]

São  Paulo, setembro de 2004




mapa do site | página inicial | pesquisa no site