nível acima | página inicial | mapa do site | links | e-mail


Religião de Jesus

Sérgio Biagi Gregório

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1 Religião; 2.2. Jesus Cristo. 3. Contexto Histórico da Vinda de Jesus: 3.1. Judaísmo; 3.2. O Messias. 4. O Problema da Religião. 5. Jesus Cristo: 5.1. Nascimento e Infância; 5.2. A Pregação; 5.3. A Perspectiva da Cruz. 6. A Religião de Jesus: 6.1. Evangelho; 6.2. Jesus e os Apóstolos; 6.3. As Instruções aos Discípulos. 7. Conclusão. 8. Bibliografia Consultada.

1. INTRODUÇÃO

Professava Jesus alguma religião? Qual o alcance que devemos dar ao termo religião? Devemos ter uma religião ou sermos religiosos? Estas e outras questões são pertinentes a este assunto. Assim, o nosso objetivo é enaltecer o ser religioso que há dentro da cada um de nós, independentemente da religião que venhamos a professar.

2. CONCEITO

2.1 RELIGIÃO

A palavra religião é de origem latina (religio). O significado não é claro. Cícero (106-43 a. C.) no De Natura Deorum afirma que a palavra vem da raiz relegere ("considerar cuidadosamente"), oposto de neglere, descuidar. Já Lactâncio, escritor cristão (m. 330 d.C.), diz que vem de religare ("ligar", "prender"). Para Cícero, a religião é um procedimento consciencioso, mesmo penoso, em relação aos deuses reconhecidos pelo Estado. Para Lactâncio, a religião liga os homens a Deus pela piedade. Um termo de partida e um de chegada, em que princípio e fim são os mesmos. As duas raízes complementam-se. (Enciclopédia Luso-Brasileira)

2.2. JESUS CRISTO

Jesus Cristo (de Jesoûs, forma grega do hebraico Joxuá, contração de Jehoxuá, isto é, "Jeova ajuda ou é salvador", e de Cristo, do grego Christós, corresponde ao hebraico Moxiá, escolhido ou ungido).

3. CONTEXTO HISTÓRICO DA VINDA DE JESUS

3.1. JUDAÍSMO

O povo judeu, ao qual Jesus e os apóstolos pertenciam, fazia parte do grande império romano que estendia as asas das suas águias do Atlântico ao Índico. O jugo romano, porém, pesava de modo especial sobre a Palestina ao contrário dos outros povos.

O ambiente histórico-religioso em que os ensinamentos de Jesus floresceram é o do judaísmo, formado e alimentado pelos livros sacros do Antigo Testamento, condicionado pelos acontecimentos históricos, pelas instituições nas quais se encontrou inserido e pelas correntes religiosas que o especificaram.

Embora o cristianismo seja uma religião revelada, diferente da judaica, apareceu historicamente como continuação e aperfeiçoamento da revelação dada por Deus ao povo de Israel. Jesus era um judeu, que nasceu e viveu na Palestina. Os apóstolos eram todos da sua gente e da sua religião. (Battaglia, 1984, p. 118)

3.2. O MESSIAS

A idéia de um messias geralmente atribuída ao Judaísmo, é historicamente anterior e encontra-se em outras crenças, entre vários povos. Ela é explicada, porém, com base na concepção de um passado remoto em que os homens teriam vivido situação melhor e que voltaria a existir pela mediação entre os homens e a divindade, de um Salvador.

Emmanuel entretanto explica que os Capelinos, ao serem recebidos por Jesus, teriam guardado as reminiscências de seu planeta de origem e das promessas do Cristo, que as fortalecera ao longo do tempo, "enviando-lhe periodicamente os seus missionários e mensageiros.

Os enviados do infinito falaram na china milenar, no Egito na Pérsia etc.

Entre os judeus a idéia do Messias Salvador surge entre os séculos IV e III a. C. pela literatura profética. É o ungido, o enviado de Iavé com a missão de instaurar o reino de Deus no mundo. (Curti, 1980, p. 35)

4. O PROBLEMA DA RELIGIÃO

Esta palavra, como tantas outras, quando estudada em profundidade, traz dificuldade de entendimento. Depois de evocada, vem à nossa mente um sistema de crenças, cuja ortodoxia dogmática deve ser seguida pelos seus adeptos. O Espírito Emmanuel, contudo, esclarece-nos a diferença entre religiões e religião: religião é o sentimento divino que une a criatura ao Criador; as religiões são organizações dos homens, falíveis e imperfeitas como eles próprios, embora dignas de todo o acatamento pelo sopro de inspiração superior que as faz surgir. Assim, se quisermos falar em RELIGIÃO DE JESUS, não podemos nos prender a nenhuma ortodoxia existente, mas ao sentimento que une o indivíduo a Deus. Negligenciando esta observação, podemos cair em graves erros e discussões infindáveis que não nos levam a lugar nenhum.

5. JESUS CRISTO

5.1. NASCIMENTO E INFÂNCIA

Jesus nasceu em Belém e morreu no ano 30 de nossa era. O mês e o ano do nascimento de Jesus Cristo são incertos. A era vulgar, chamada de Cristo, foi fixada no séc. VI por Frei Dionísio, que atribui o Natal ao ano de 754 da fundação de Roma.

A história de Jesus, tal como se processou sua vida, é muito difícil de se reconstituir hoje, porque os Evangelhos são praticamente a única fonte existente a fornecê-la, e eles descrevem muito mais o que Jesus vem a significar, após a sua morte para a Igreja, do que os fatos tal como aconteceram.

O Evangelho nos diz que para fugir à matança das crianças, a Sagrada Família julgou conveniente fugir para o Egito. Depois da morte de Herodes regressou do exílio e estabeleceu-se em Nazaré, na Galiléia. Aí passou Jesus a infância e a juventude, exalçando pelo exemplo, como operário na oficina de José, a dignidade do trabalho, no qual a Antigüidade vira unicamente a função própria do escravo.

Além disso, pouco ou nada se sabe acerca de sua infância. Lucas limita-se a dizer que "...crescia e se fortalecia cheio de sabedoria; e a graça de Deus estava sobre Ele". (Lucas, 2, 40) Narra-se que certa vez, na Páscoa, quando contava 12 anos, seus pais o perderam, reencontrando-o só após três dias "...assentado no meio dos doutores, ouvindo-os e interrogando-os. E todos que o ouviam admiravam a Sua inteligência e respostas". (Lucas, 2, 46 e 47)

5.2. A PREGAÇÃO

Contava trinta anos quando começou a pregar a "Boa Nova". Compreende a sua vida pública um pouco mais de três anos (27 a 30 da era cristã). Utilizou-se, na sua pregação, o apelo combinado à razão e ao sentimento, por meio de parábolas ilustrativas das verdades morais.

As duas regiões de sua pregação:

1) Galiléia (Nazaré) - as cercanias do lago de Genesaré e as cidades por ele banhadas, e principalmente Cafarnaum, centro a atividade messiânica de Jesus;

2) Jerusalém - que visitou durante quatro vezes durante o seu apostolado e sempre por ocasião da Páscoa.

Na Galiléia, percorrendo os campos, as aldeias e as cidades, Jesus anunciava às turbas que o seguem o Reino de Deus; é aí, também, que recruta os seus doze apóstolos e os prepara para serem as suas testemunhas. Ao mesmo tempo, vai realizando milagres.

Em Jerusalém, continuamente perseguido pela hostilidade dos fariseus (seita muito considerada e muito influente, que constituía a casta douta e ortodoxa do judaísmo), ataca a hipocrisia deles e esquiva-se às suas ciladas. Como prova de sua missão divina, apresenta-lhes a cura de um cego de nascença e a ressurreição de Lázaro. (Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira)

5.3. A PERSPECTIVA DA CRUZ

Se quisermos adotar, na perspectiva da crítica histórica atual, o ponto de partida mais sólido, para o conhecimento de Jesus Cristo, teremos de escolher os acontecimentos ligados à sua prisão, julgamento e execução na cruz. Daí, tiramos conclusões hermenêuticas para a sua correta interpretação. Por que aquele desfecho e não outro? A terceira razão, a execução na cruz, recomenda uma cristologia da cruz: a cruz permite-nos entender como o significado e ministério de Jesus Cristo é salvação deste mundo através de um julgamento que abrange todos os responsáveis pela sua morte e se exerce, não pela força das armas que matam, mas pelo testemunho da verdade e do amor que leva à doação da própria vida (martyria). (Enciclopédia Verbo de Sociedade e Cultura)

6. A RELIGIÃO DE JESUS

Em que se funda a religião de Jesus? Onde podemos encontrar argumentos para fundamentar a sua existência?

6.1. EVANGELHO

O Evangelho é a única fonte fidedigna da vida e missão de Jesus Cristo. Esta palavra vem do grego euangelion e significa "boa notícia", "boa nova". Buscando o conteúdo narrado por Mateus, Marcos, Lucas e João, teremos os subsídios necessários para a compreensão da religião de Jesus, ou seja, da boa nova que ele quis nos passar. Observe que Allan Kardec, na introdução de O Evangelho Segundo o Espiritismo escolhe, dentre as 5 divisões, o ensino moral, o único que não está afeito a controvérsias, podendo, inclusive, unir todas as crenças em torno da sua mensagem universalista.

6.2. JESUS E OS APÓSTOLOS

Em muitos aspectos, a relação entre Jesus e seus discípulos era semelhante às relações entre o rabino hebreu e seus discípulos. Os rabinos ou doutores da Lei reuniam em torno de si muitos discípulos, aos quais transmitiam a sua doutrina. Esses discípulos, por seu turno, podiam tornar-se rabinos e continuar a tradição que tinham recebido. Os hebreus consideravam o próprio Jesus como um rabino que tinha os seus discípulos.

As relações entre Jesus e seus discípulos não eram exatamente iguais às relações que havia entre um rabino e seus discípulos. Jesus pedia uma adesão pessoal mais completa do que aquela que era pedida pelos rabinos. O seu discípulo deveria estar disposto a abandonar pai, mãe, filho e filha, a tomar a sua cruz e dar a vida no seguimento de Jesus. Como seu mestre, os discípulos deveriam abandonar suas casas, ficando sem ter onde repousar a cabeça. (Mackenzie, 1984)

6.3. AS INSTRUÇÕES AOS DISCÍPULOS

"A estes doze enviou Jesus, dando-lhes as seguintes instruções: Não tomeis rumo aos gentios, nem entreis em cidade de samaritanos; mas, de preferência, procurai as ovelhas perdidas da casa de Israel; e, à medida que seguirdes, pregai que está próximo o reino dos céus. Curai os enfermos, ressuscitai os mortos, purificai leprosos, repeli demônios; de graça recebestes, de graça dai. Não vos provereis de ouro, nem de prata, nem de cobre nos vossos cintos; nem de alforje para o caminho, nem de duas túnicas, nem de sandálias, nem de bordão: porque digno é o trabalhador do seu alimento. E em qualquer cidade ou povoado em que entrardes, indagai quem neles é digno; e aí ficai até vos retirardes. Ao entrardes na casa, saudai-a; se, com efeito, a casa for digna, venha sobre ela a vossa paz; se, porém, não o for, torne para vós outros a vossa paz. Se alguém não vos receber, nem ouvir as vossas palavras, ao sairdes daquela casa ou daquela cidade, sacudi o pó dos vossos pés". (Mateus, 10, 5 a 14)

7. CONCLUSÃO

Como vimos, Jesus não teve uma religião no sentido ortodoxo do termo, mas deixou-nos todos os fundamentos para a verdadeira religião, aquela que une todas as almas crentes num vínculo comum, em que o amor se expressa como o alimento de todas as almas.

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

BATTAGLIA, 0. Introdução aos Evangelhos — Um Estudo Histórico-crítico. Rio de Janeiro, Vozes, 1984.
CURTI, R. Monoteísmo e Jesus. São Paulo, FEESP, 1980.
Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura. Lisboa, Verbo, s. d. p.
Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira. Lisboa/Rio de Janeiro, Editorial Enciclopédia, s.d. p.
Polis - Enciclopédia Verbo da Sociedade e do Estado. Lisboa/São Paulo, Verbo, 1986.

São Paulo, dezembro de 2000




mapa do site | página inicial | pesquisa no site