nível acima | página inicial | mapa do site | links | e-mail


A Importância da Comunicação

Maria Aparecida Lombardi

1. CONCEITO

Comunicação é a troca de informações, ideias e sentimentos. Processos que mantém os indivíduos em contato permanente e em todas as circunstâncias, propiciando a interação.

2. TIPOS DE COMUNICAÇÃO

A comunicação varia de acordo com:

Instrumentos utilizados para manter contato com o outro;

As pessoas em processo de comunicação;

Os objetivos em vista.

2.1. INSTRUMENTOS

2.1.1. COMUNICAÇÃO VERBAL – é a mais freqüente, a mais habitual. Utiliza-se a linguagem oral ou escrita para o estabelecimento do contato. Costuma ser o instrumento preferido de comunicação. Envolve ritmo, tom, entonação da voz.

2.1.2. COMUNICAÇÃO NÃO-VERBAL – é todo instrumento utilizado na comunicação que não seja a linguagem oral ou representada por sinais gráficos, escrita.

Pertencem a este grupo: gestos, expressões faciais, posturas, silêncios e ausências no interior de certos textos. Vêm carregados de mensagens significativas, mais ainda do que as palavras.

Para serem autênticas, a comunicação verbal e a não-verbal deveriam estar sempre sincronizadas no mesmo indivíduo. Muitas vezes, a comunicação verbal e a não-verbal estão em dissonância, traindo o eu íntimo que o verbal tenta camuflar. Falamos uma coisa, mas estamos expressando outra. A comunicação tende a se tornar fala intelectualizada, quando reduzida exclusivamente à linguagem verbal.

A linguagem apenas não-verbal dificilmente seria inteligível para o outro.

2.2. PESSOAS ENVOLVIDAS

2.2.1. COMUNICAÇÃO A DOIS

a) Pessoais – encontro entre dois seres que se percebem em relação de reciprocidade ou complementaridade, como amizade, amor ou fraternidade. Quando autêntica, tende a durar e se tornar permanente.

b) Profissionais – quando a comunicação a dois é realizada para assuntos de trabalho. Também deve ser autêntica, para se obter melhores resultados.

2.2.2. COMUNICAÇÃO EM GRUPO

a) Intragrupo – realizada entre pessoas de um mesmo grupo.

b) intergrupos – contatos e trocas entre dois ou mais grupos.

2.3. OBJETIVOS

2.3.1. CONSUMATÓRIA – tem como fim exclusivo a troca com o outro, como um sujeito, a quem se vai ao encontro e com quem se deseja falar. Pode ser "falar por falar", ou a necessidade de comunicar ao outro seu universo pessoal. É sempre espontânea.

2.3.2. INSTRUMENTAL – sempre utilitária e com segundas intenções.

- A troca com o outro é procurada, preparada e estabelecida para fins de manipulação, mais ou menos confiscável. Exemplo: mensagens publicitárias, "slogans" de propaganda política.

- O outro é percebido como um objeto a explorar, a seduzir ou enganar, com o objetivo de assegurar certos ganhos e satisfazer alguns interesses. Há um objetivo a ser explorado.

3. NATUREZA DA COMUNICAÇÃO

A comunicação acontece quando duas pessoas têm o mesmo interesse; os interesses são comuns. Há pontos em comum. A mensagem flui, porque os interesses são comuns.

                                        HÁ      COMUM     (IC)      AÇÃO

SER COMUM                  É                      SER COMO UM

  • Ter afinidades

  • Ter empatia

  • Sentir junto

  • Pensar junto

  • Estabelecer contato psicológico

  • Ser COMO UM TODO

    Não é suficiente que as pessoas:

  • Se falem

  • Se escutem

  • Se compreendam

  • É preciso mais...

    A comunicação só existe quando as pessoas conseguem se encontrar ou reencontrar.

    Levar em conta:

     

    COM QUEM? - conhecer o RECEPTOR

    O QUÊ? - preparar-se para a COMUNICAÇÃO. Ter convicção do que fala.

    COMO? - criar SINTONIA

    4. ESQUEMA DA COMUNICAÇÃO

    EMISSOR - iniciativa da comunicação.

    RECEPTOR - a quem se dirige a mensagem.

    MENSAGEM - conteúdo da comunicação.

    CÓDIGO - grupo de símbolos utilizado para passar a mensagem.

    • Linguagem - verbal/não-verbal

     

     

    • Canal

    - Pintura

    - Dança

    - Mímica

    - A mensagem é transmitida de ouvido a ouvido ou outros órgãos do sentido, passando pelo ar.

    - Ouvidos, outros órgãos e ar constituem o canal da comunicação.

    Feedback (em inglês) - Realimentação / resposta

    A – EMISSOR – transmite a mensagem.

    B – RECEPTOR - recebe a mensagem e tem uma reação à mensagem recebida. Responde ao Emissor, realimentando a comunicação.

    Este processo forma um círculo entre emissor e receptor, até que a comunicação termine.

    5. BARREIRAS NA COMUNICAÇÃO

    As barreiras na comunicação não são apenas barulhos ou outros estímulos externos que atrapalham ou impedem que a comunicação se realize plenamente. Existem obstáculos e barreiras muito mais sutis, escondidos, que são tão mais fortes quanto mais escondidos.

    As barreiras ocorrem na comunicação quando o interlocutor lê e ouve de acordo com:

    • O que lhe interessa – o que coincide com suas opiniões, crenças, valores e experiências.

    • Egocentrismo– que impede de se enxergar o ponto de vista do outro. O egocêntrico quer rebater tudo o que o outro fala, sem ao menos ouvir realmente o que ele diz. O outro está falando e o receptor está pensando no que vai responde.

    • Percepção do outro– influenciada por preconceitos e estereótipos: vendedor, branco, negro, amarelo, mulher, criança, idoso, judeu, japonês, evangélico, católico, espírita, político, rico, pobre etc. Ainda: quando determinada pessoa tem, para nós, a auréola de santo, tudo o que fala e faz é bom.

    • Competição – quando um corta a palavra do outro, sem nem sequer ouvir o que ele está dizendo; quer apenas se fazer ouvir. É um "diálogo de surdos", em que ninguém ouve ninguém.

    • Frustração – impede a pessoa de ouvir e entender o que está sendo dito.

    • Transferência inconsciente de sentimentos – que se tem em relação a uma pessoa parecida com o interlocutor. Pode ser favorável ou desfavorável.

    • Projeção – leva a emprestar a outrem intenções que nunca teve, mas que teria no lugar dele.

    • Inibição – do receptor em relação ao emissor, e vice-versa.

    Quando a comunicação se estabelece mal ou não se realiza, diz-=se que há:

    a) FILTRAGENS

    Quando a mensagem é recebida apenas em parte.

    A comunicação existe, mas é filtrada pelo interlocutor e provoca mal-entendido.

    Ouve apenas o que quer ouvir. O resto filtra, não deixa passar.

    b) RUÍDOS

    Não é o barulho externo que impede de ouvir.

    É a comunicação entre duas pessoas ou em grupo. Quando a mensagem é distorcida ou mal-interpretada.

    Exemplo:

    — Sei bem o que ele quis dizer... Quando falou em vadiagem, referiu-se a mim...

    — Não, não foi isso, você interpretou mal.

    — Não, você viu como ele olhou para mim?

    — Ora, ele olhou para todo mundo da mesma forma.

    — Ele está me marcando...

    c) BLOQUEIO

    Quando a mensagem não é captada e a comunicação entre duas pessoas é interrompida

    São barreiras psicológicas, muros de vergonha e zonas de silêncio entre os interlocutores, que não querem tocar em determinados assuntos.

    Exemplo:

    — Por favor, nem me fale desse assunto. Você sabe que eu não gosto de falar sobre isso

    — Mas, é importante...

    — Não, por favor, não... Você já sabe o que eu penso a respeito...

    Qualquer que seja a duração de um bloqueio, ele perturba a percepção que a pessoa tem de si própria e dos outros e, em conseqüência, suas atitudes, seus comportamentos tornam-se falsos.

    Os bloqueios, as filtragens e os ruídos costumam provocar ressentimentos, os quais podem durar longo tempo, criando inimizades.

    6. PROBLEMAS BÁSICOS DA COMUNICAÇÃO

    O significado do que se captou de uma mensagem pode não ser exatamente aquele que o EMISSOR quis transmitir.

    Nossas necessidades e experiências tendem a colorir o que vemos e o ouvimos; a dourar ou enegrecer determinadas pessoas. Isto distorce a forma de percebermos os fatos, os estímulos.

    Exemplo: "Um aluno riu na aula".

    Interpretação de diferentes professores:

    a) "Este aluno está me ‘gozando’; vou me entender com ele".

    É um professor, provavelmente inseguro, que acredita que toda manifestação do aluno é agressiva e está abalando o seu "status".

    b) "Ele está satisfeito; deve ter entendido minha explicação".

    Professor que tem percepção otimista em relação à pessoa humana. Está muito seguro de si.

    c) "Alguém deve ter-lhe contado alguma coisa engraçada".

    Professor sensato que tentou analisar o fato pelo que suas experiências lhe tem ensinado.

    d) "Esse aluno ri à toa. Será que ele tem algum distúrbio de comportamento?"

    Esse professor pode estar sendo irônico e, portanto, agressivo.

    SEMÂNTICA – O SIGNIFICADO DAS PALAVRAS

    As palavras não significam a mesma coisa para todas as pessoas.

    O SIGNIFICADO pode não ser conhecido ou não ser exatamente o que o EMISSOR quis transmitir. Daí, a confusão e a distorção do significado das palavras. É importante que o EMISSOR esclareça o significado das palavras dentro do contexto em que elas forem expressas.

    Exemplo: "A operação foi realizada".

    O que significa?

    Interpretações:

    Para o médico, uma operação cirúrgica.

    Para o contabilista, o negócio foi realizado.

    Para o professor, a operação aritmética (soma, subtração etc.)

    Para o militar, a batalha foi ganha.

    Há, também, problemas de semântica quando usamos gíria e termos religiosos.

    A insegurança, o aborrecimento e o receio – efeitos da emoção – podem distorcer o que vemos e ouvimos, tornando os fatos mais ameaçadores.

    7. LINGUAGEM CORPORAL

    Pela linguagem do corpo, dizemos muito ao outro e ele tem muito a nos dizer.

    É a linguagem que não mente. Mesmo que tentemos disfarçar, camuflar, ela nos denuncia. Não conseguimos controlar.

    É importante aprendermos a OBSERVAR e utilizar o "feedback".

    Observando o receptor e, sua reação à mensagem recebida, podemos verificar o nosso próprio desempenho, modificando-o ou não.

    Observar:

  • Seu corpo;

  • Suas expressões fisionômicas;

  • Bocejo;

  • Cenho franzido de atenção;

  • Olhar vago, distante;

  • Olhos que se fecham;

  • Expressão de dúvida;

  • Entusiasmo ou falta dele;

  • Irritação;

  • Movimentando, tambolirando dedos e objetos;

  • Estalando os dedos;

  • Batendo as pernas e as mãos.

  • Exemplos:

    8. COMO MELHORAR A COMUNICAÇÃO

     

     

     

     

     

     

    Uma boa comunicação requer:

    a) aprender a melhorar a sua transmissão

  • Adaptar sua mensagem ao vocabulário, interesses e valores do receptor: que palavras, ideias, sentimentos realmente envia às outras pessoas?

  • b) aperfeiçoar a própria recepção

  • O que você percebe das reações emitidas pelas outras pessoas? Uso da observação e do feedback.

  • c) saber ouvir

  • Ouvir não só a mensagem, mas ir além dela.

  • Há um conteúdo não manifesto em muitas comunicações: verbais, não-verbais, de atitude. É preciso ter sensibilidade para entender.

    Há um conteúdo informativo, lógico e manifesto em uma comunicação. Há, também, um conteúdo latente, afetivo, emocional e psicológico.

    d) uso de comunicação face a face

  • São superiores às comunicações escritas.

  • Há, ao vivo, oportunidade para perceber além da mensagem; a inter-relação torna-se mais fácil, completa e envolvente.

    A voz, as atitudes e as expressões facilitam a realimentação. A voz tem uma gama muito ampla de entonação.

    A palavra escrita é muito mais agressiva do que a face a face. Não que deva ser abandonada. As duas podem ser combinadas.

    e) colocar-se no lugar do recebedor

  • Conhecer o seu mundo

  • Adaptar a mensagem ao vocabulário, aos interesses e aos valores do receptor. É difícil entender-se com um ouvinte quando se tenta comunicar alguma coisa que o contradiz ou não vai ao encontro daquilo que ele espera.

    f) desenvolver a sensibilidade – a EMPATIA

  • Habilidade de se colocar no lugar do outro e assim compreender melhor o que a outra pessoa sente e está procurando nos dizer.

  • Procure sentir como os outros o sentem.

  • Seguro/inseguro

  • Agressivo

  • Intolerante

  • Facilitador

  • Medroso

  • Tímido

  • Orgulhoso

  • Inacessível

  • g) saber distinguir o momento oportuno de enviar a mensagem

  • Uma mensagem tem condições de ser aceita se:

  • - O receptor está motivado para recebê-la;

    - O momento é oportuno;

    - Outras mensagens não estão interferindo.

    Exemplo: não adianta quere ensinar:

    "O bebê a andar aos 6 meses de idade";

    "Álgebra a uma criança de 5 anos de idade".

    Mensagens antecipadas podem ser ignoradas, não ouvidas e até rejeitadas.

    h) as palavras devem ser reforçadas pela ação

  • As pessoas tendem a aceitar as mensagens quando participam e quando são reforçadas pelo exemplo.

  • i) a mensagem deve ser simples, direta e sem redundância.

  • A mensagem deve ser direta, clara, simples e sem palavras redundantes para que o receptor possa entender.

  • Isso não quer dizer que se deva rebaixar a linguagem, usando somente gírias e expressões da moda.

    Exemplo:

    Tá ligado?...

    Tipo assim...

    Entende...

    Mensagens confusas, recheadas de palavras eruditas e estilo rebuscado são verdadeiros quebra-cabeças e provocam distorções.

    9. COMUNICAÇÃO EFICAZ

    1. Quanto mais o contato psicológico se estabelece em profundidade, mais a comunicação humana terá possibilidade de ser autêntica.

    2. Quanto mais a expressão de si conseguir integrar a comunicação verbal e a não-verbal, mais a troca com o outro terá condições de ser autêntica.

    3. Quanto mais a comunicação se estabelecer de pessoa a pessoa, para além das personagens, das máscaras, dos "status" e das funções, mais terá possibilidade de ser autêntica.

    4. Quanto mais as comunicações intragrupos forem abertas, positivas e solidárias, mais terão possibilidades de serem autênticas.

    5. Quanto mais as comunicações forem consumatórias (encontros sujeito a sujeito) menos elas serão instrumentais (manipulação do outro), e terão mais possibilidades de serem autênticas.

    10. CONCLUSÃO

    Nenhuma comunicação verdadeira é estabelecida se o RECEPTOR não compreender o significado original da MENSAGEM passada pelo EMISSOR.

    O RECEPTOR é o elo mais importante no PROCESSO DE COMUNICAÇÃO. Se a MENSAGEM não atingir o RECEPTOR, de nada adiantou enviá-la.

    Um dos pontos mais importantes na comunicação é a preocupação com a pessoa que esta na outra ponta da cadeia da comunicação – o RECEPTOR.

    Na COMUNICAÇÃO ESCRITA, o LEITOR é o mais importante.

    Na COMUNICAÇÃO ORAL, o OUVINTE é que importa.

    "O BOM COMUNICADOR É BOM OUVINTE"

    BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

    MINICUCCI, Agostinho. Psicologia Aplicada à Comunicação. Editora Atlas. (Capitulo – Meios de Comunicação)

    WEIL, Pierre e Roland Tompakow, O Corpo Fala: A linguagem Silenciosa da Comunicação Não-Verbal. 27. ed., Rio de Janeiro: Vozes, 1990.

    WEIL, Pierre. Relações Humanas na Família e no Trabalho. Rio de Janeiro: Vozes, 1978.

    São Paulo, abril de 2006

    Visite o site do Clube de Autores
    e folheie o livro Leis Divinas ou Naturais,
    por Sérgio Biagi Gregório


     




    mapa do site | página inicial | pesquisa no site