nível acima | página inicial | mapa do site | links | e-mail


Informação e Comunicação

Sérgio Biagi Gregório

SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito. 3. Considerações Iniciais. 4. O Problema da Informação: 4.1. Importância da Informação; 4.2. Direito e Dever da Informação; 4.3. A Declaração Universal dos Direitos do Homem (1948). 5. O Problema da Comunicação: 5.1. O Ser Social; 5.2. Tipos de Comunicação; 5.3. A Sintonia entre o Emissor e o Receptor. 6. Informação e Doutrina Espírita: 6.1. Não Acreditemos em Todos os Espíritos; 6.2. A Candeia e o Alqueire; 6.3. Na Tribuna. 7. Conclusão. 8. Bibliografia Consultada.

1. INTRODUÇÃO

O que é informação? O que é comunicação? Informar é formar? Temos o direito e o dever de comunicar todo e qualquer tipo de conhecimento? O que é realmente relevante saber para poder comunicar?

2. CONCEITO

Informação. Significa, originariamente, dar forma a alguma coisa que por esta forma se torna cognoscível e, como tal, transmissível. Liga-se a todo o processo de criação, conservação e comunicação do conhecimento humano.

Comunicação. Do lat. communicatio de communis = comum significa a ação de tornar algo comum a muitos. É o estabelecimento de uma corrente de pensamento ou mensagem, dirigida de um indivíduo a outro, com o fim de informar, persuadir, ou divertir. (Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo). Significa, também, a troca de informações entre um transmissor e um receptor, e a inferência (percepção) do significado entre os indivíduos envolvidos.

3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

A informação tornou-se, nos dias que correm, a mercadoria mais valorizada. Hoje, fala-se da tecnologia da informação, em que se dá mais valor aos serviços prestados por um bem do que a sua produção. Em se tratando da informática, o software (programa) tem mais valor do que o hardware (máquina física).

Segundo Richard S. Wurman, uma edição do The New York Times em um dia da semana contém mais informações do que um mortal comum poderia receber durante toda a vida na Inglaterra no século XVII; nos últimos 30 anos produziu-se um volume maior de informações novas do que nos 5.000 anos precedentes.

Por esta razão, diz-se que "O conhecimento é ‘moeda’ de nosso tempo, e a velocidade de mudanças é a ‘taxa de inflação’. Quanto mais alta for essa taxa, mais rapidamente essa moeda perde seu valor. A reciclagem nada mais é do que a ‘correção monetária’ do ativo conceitual ‘depositado’ nos ‘bancos’ de memória humanos".

Em vista do acúmulo das informações, tenhamos um cuidado especial para navegar e não naufragar, principalmente na Internet.

4. O PROBLEMA DA INFORMAÇÃO

4.1. IMPORTÂNCIA DA INFORMAÇÃO

A liberdade humana está intimamente ligada à capacidade de obter informação. A determinação de fazermos isto ou aquilo supõe que tenhamos a informação necessária para tomarmos esta ou aquela decisão. A escolha de governantes, por exemplo, supõe a capacidade de juízo crítico, proveniente da informação adequada. Sem informação, não teríamos a propagação das descobertas científicas, tão necessárias à longevidade da vida humana. A informação é comparada à função que o sistema nervoso exerce no organismo, ou seja, a de regulação social.

4.2. DIREITO E DEVER DA INFORMAÇÃO

O ser humano, pela sua característica comunicativa, tem o direito de informar e de ser informado. As nossas experiências e as nossas vivências podem ser úteis às experiências e vivências do próximo, tanto quanto as suas experiências e vivências podem ser úteis ao nosso progresso material e espiritual. O direito e o dever devem estar alicerçados na verdade, da verdade descoberta e da verdade a descobrir. Isto porque os livros, os jornais, e os meios de comunicação de massa podem transmitir tanto a verdade quanto o erro. Por isso, a máxima: "Nada transmitir de falso e nada omitir de verdadeiro". Devemos ser fiéis à mensagem – recebida e captada –, porque todos temos a grandiosa tarefa de promover o bem comum do gênero humano.

4.3. A DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM (1948)

No que diz respeito ao tema, anotamos:

Art. XVIII – "Todo homem tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião;..."

Art. XIX – "Todo homem tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferências, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras".

Art. XXVII – 1. "Todo homem tem direito de participar livremente da vida cultural da comunidade, de fruir as artes e de participar do progresso científico e de seus benefícios".

2. "Todo homem tem direito à proteção dos interesses morais e materiais decorrentes de qualquer produção científica, literária ou artística da qual seja autor".

5. O PROBLEMA DA COMUNICAÇÃO

5.1. O SER SOCIAL

Aristóteles, na Antigüidade clássica grega, falava que o ser humano é um ser social por excelência, e, por isso, deveria viver em sociedade. Viver em sociedade implica comunicação, relacionamento, aprendizagem. Em termos práticos, é a convivência com os contrários. Se nosso próximo é um enigma para nós, nós também o somos para ele. Por isso, a tolerância deve ser praticada em qualquer circunstância, mesmo quando tivermos que ouvir insistentemente os nossos supostos adversários.

5.2. TIPOS DE COMUNICAÇÃO

Em linhas gerais, há dois tipos de comunicação: a comunicação interpessoal e a comunicação de massas. A comunicação interpessoal, mais estreita, é aquela praticada em casa, nas empresas e nos círculos de amigos. A comunicação de massas necessita de um aparelho multiplicador, mais conhecido como mídia. Quando o presidente da República se dirige à nação, ele utiliza-se este tipo de comunicação. Ou seja, ele não fala para atingir uma ou duas pessoas, mas todos os cidadãos, estejam onde estiverem.

5.3. A SINTONIA ENTRE O EMISSOR E O RECEPTOR

De acordo com J. Krishnamurti, "A comunicação implica termos de compreender as palavras ao ser transmitida alguma coisa. Ambos – receptor e emissor – temos de ser intensos no mesmo plano e ao mesmo tempo. Capazes de nos encontrar mutuamente nem um momento antes nem um momento após. Do contrário não será possível a Comunicação".

A fidelidade de uma comunicação é medida pela compreensão da mensagem. Uma mensagem é tanto mais fiel quanto produza em nós uma ressonância idêntica ao emissor. O ruído perturba a fidelidade da comunicação. Pergunta: como posso me comunicar com os outros se não me comunico comigo mesmo? Este é o paradoxo da vida moderna. Assim, só deveríamos nos expressar em público quando tivermos convencidos a nós mesmos que aquilo que vamos dizer é verdade.

6. INFORMAÇÃO E DOUTRINA ESPÍRITA

6.1. NÃO ACREDITEMOS EM TODOS OS ESPÍRITOS

São João, na 1.ª Epístola, 4,1, diz: "Meus bem-amados, não acrediteis em todos os Espírito, mas experimentai se os Espíritos são de Deus, porque vários falsos profetas se ergueram no mundo". A comunicação mediúnica sofre a inserção de muitos ruídos. Há a inspiração dos mentores espirituais, mas por medo ou falta de confiança permitimos que idéias malsãs interfiram no processo de comunicação. A inserção de idéias menos felizes está bem explicada por Allan Kardec, em O Livro dos Médiuns, quando ele discute o problema da obsessão. Diz-nos que há três graus, ou seja, obsessão simples, fascinação e subjugação. Na obsessão simples, há a persistência do Espírito em comunicar-se, quer o médium queira, quer não, impedindo que outros Espíritos o façam; na fascinação, há a ação direta exercida por um Espírito inferior sobre a do indivíduo, perturbando ou embaralhando suas idéias; na subjugação, há a constrição exercida por Espírito (ou Espíritos inferiores), a qual paralisa a vontade de maneira contrária aos próprios desejos e sentimentos, levando-o à aberração das faculdades psicofisiológicas.

6.2. A CANDEIA E O ALQUEIRE

Em questão de comunicação, Jesus deu-nos grandes exemplos, tanto teóricos quanto práticos. A "candeia sob o alqueire" e o "falar por parábolas" retratam bem o nosso tema. Nesse trecho do Evangelho, Jesus ensina-nos a comunicar o que sabemos: não podemos esconder, nem tampouco dizer tudo o que conhecemos. A sua ordem é: comunique-se de acordo com a compreensão do ouvinte. Nada de termos rebuscados, palavras difíceis, vocabulário chulo. Aquele que nos ouve merece todo o nosso respeito. Se o nosso interlocutor não nos entender, a comunicação não se completará. A justa medida, como apregoava Aristóteles, em sua Ética a Nicômaco, é sempre bem vinda.

6.3. NA TRIBUNA

O Espírito André Luiz, no capítulo 14, de Conduta Espírita, dá-nos algumas orientações para o uso da palavra.

1) Palestrar com naturalidade, governando as próprias emoções, sem azedume, sem nervosismo e sem momices;

2) Calar qualquer propósito de destaque, silenciando exibições de conhecimentos, e ajustar-se à Inspiração Superior;

3) Nos comentários, respeitar pessoas e instituições;

4) Abster-se de historietas impróprias ou anedotas reprováveis;

5) Nas conversações, evitar fatos e estudos doutrinários de entendimento difícil;

6) Diante de um imprevisto, manter inalterável a sua alocução;

7) Abolir, nas palestras, os vocábulos impróprios, as expressões pejorativas e os termos da gíria das ruas.

7. CONCLUSÃO

Temos o dever de informar e de sermos informados. Atendamos, pois, à exortação de Paulo, em Efésios, 4,29: "Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas só a que for boa para promover a edificação, para que dê graça aos que a ouvem".

8. BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

ÁVILA, F. B. de S.J. Pequena Enciclopédia de Moral e Civismo. Rio de Janeiro: M.E.C., 1967.

GRANDE ENCICLOPÉDIA PORTUGUESA E BRASILEIRA. Lisboa/Rio de Janeiro: Editorial Enciclopédia, [s.d. p.]

POLIS - ENCICLOPÉDIA VERBO DA SOCIEDADE E DO ESTADO. São Paulo: Verbo, 1986.

XAVIER, F. C. Conduta Espírita, pelo Espírito André Luiz. 8. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1981.

 

São Paulo, julho de 2007




mapa do site | página inicial | pesquisa no site