nível acima | página inicial | mapa do site | links | e-mail


Obras Póstumas: um Resumo"

Sérgio Biagi Gregório

1. INTRODUÇÃO

Como resumir esta obra? Quais são os seus elementos essenciais? É possível dispô-la em forma de palestra, com começo meio e fim? Como montar um roteiro?

2. CONCEITO

Póstumo – do latim postumu, "último, derradeiro". Posterior à morte de alguém.

Obras Póstumas – obras publicadas depois da morte do autor.

3. CONSIDERAÇÕES INICIAIS

Obras Póstumas, de Allan Kardec, veio a lume em 1890, três anos após a morte do autor. Faz parte das obras complementares da codificação espírita. Como sabemos, o Espiritismo é conhecido através das suas obras básicas e complementares. As Obras Básicas, também, cognominadas de Pentauteco Espírita, compõem-se dos seguintes livros: O Livro dos Espíritos (1857), O Livro dos Médiuns - ou Guia dos Médiuns e dos Doutrinadores (1861), O Evangelho Segundo o Espiritismo (1864), O Céu e o Inferno - ou Justiça Divina Segundo o Espiritismo (1865) e A Gênese - os Milagres e as Predições Segundo o Espiritismo (1868). As Obras Complementares, que dão extensão às Obras Básicas, são de cunho mediúnico e não mediúnico. Entre as não-mediúnicas, citam-se os escritos de Gabriel Delanne, Léon Denis, Camille Flammarion, J. Herculano Pires, Edgar Armond e outros. Entre as obras mediúnicas, estão os livros psicografados por Francisco Cândido Xavier, Divaldo Pereira Franco e outros.

O livro Obras Póstumas é dividido em duas partes: na primeira delas, enfatizam-se os aspectos doutrinários do Espiritismo; na segunda, os relatos de Allan Kardec acerca da sua missão e da constituição do Espiritismo. Há também a biografia de Allan Kardec e o discurso pronunciado sobre o túmulo de Allan Kardec por Camille Flammarion.

Resumamos alguns desses tópicos.

PARTE I

4. PROFISSÃO DA FÉ ESPÍRITA RACIOCINADA

Em O Evangelho Segundo o Espiritismo, Allan Kardec afirma: "Não há fé inabalável senão aquela que pode encarar a razão face a face, em todas as épocas da Humanidade".

Assim, a profissão de fé baseia-se:

Deus é a inteligência suprema, causa primaria de todas as coisas. Deus é o criador, causa primaria da qual tudo o mais se origina, tanto o Espírito quanto a matéria. Em se tratando do corpo, faz ver que há uma alma, um princípio inteligente, que é independente da matéria e sobrevive ao corpo depois da morte deste. (pág. 31-39)

5. A MANIFESTAÇÃO DOS ESPÍRITOS

Discussão sucinta do caráter e das conseqüências religiosas das manifestações dos Espíritos, incluindo os vários tipos de mediunidade, a função do perispírito no intercâmbio mediúnico, a fotografia e telegrafia do pensamento, além dos vários fenômenos de efeitos físicos e inteligentes, tão bem desenvolvidos em O Livro dos Médiuns. (pág. 41-119)

6. ESTUDO SOBRE A NATUREZA DO CRISTO

O dogmatismo religioso aceita a tese da trindade, em que Pai, Filho e Espírito Santo são três pessoas numa só. Nesse caso, pode-se considerar o corpo do Cristo como sendo de natureza fluídica como o fez Roustaing.

Allan Kardec parte de um outro ângulo. Como não há registros históricos sobre Cristo, pois Ele não nos deixou nada escrito, mas somente os registros dos apóstolos, vários anos depois de sua morte física, Kardec procura investigar as próprias palavras de Cristo. Para tanto, busca algumas citações de Jesus. Dentre elas, escolhemos duas:

"Quem quer que me receba, recebe aquele que me enviou, porquanto aquele que for o menor entre todos vós será o ‘maior de todos’". (Lucas, 9,48)

"Quem quer que receba em meu nome a uma criancinha como esta, a mim me recebe; e aquele que me recebe não me recebe a mim, mas recebe aquele que me enviou". (Marcos, 9,37)

Deduz-se destas duas citações que há um enviado (Cristo) e um que envia (Deus), portanto de naturezas distintas. (pág. 121-153)

7. A REGENERAÇÃO DAS ARTES PELO ESPIRITISMO

Sintetizando os quatro capítulos que tratam deste tema, poderíamos dizer que:

Numa visão comparativa, percebemos: 1º) que a arte pagã enalteceu a perfeição da forma; 2º) que a arte cristã ressalta a beleza da alma sobre a beleza da forma, embora os seus autores tenham enfatizado o sofrimento e a morte; 3º) que a arte espírita, sintetizando as duas anteriores, mostra a felicidade futura, sem as agruras do fogo eterno e os diversos tridentes a nos perfurar.

A beleza, no que tange à forma do corpo evoluiu sensivelmente. A forma dos corpos se modificou em sentido determinado e segundo uma lei, à medida que o ser moral se desenvolveu, o ser físico também. Assim sendo, à medida que o instintos materiais se depuram e dão lugar aos sentimentos morais, o envoltório material que já não se destinam à satisfação de necessidades grosseiras, tomam formas cada vez menos pesada, mais delicada, de harmonia com a elevação e a delicadeza das idéias.

O semblante é o espelho da alma. Esta verdade, que se tornou axioma, explica o fato vulgar de desaparecerem certas fealdades sob o reflexo das qualidades morais do Espírito e de, muito amiúde, preferir-se uma pessoa feia dotada de eminentes qualidades a outra que apenas possui a beleza plástica. É que semelhante fealdade consiste unicamente em irregularidades da forma, mas sem excluir a finura dos traços, necessária à expressão dos sentimentos delicados. (pág. 155-185)

8. ALTERNATIVAS DA HUMANIDADE

Allan Kardec trata aqui do que se espera além túmulo. Em linhas gerais, temos:

O Niilismo - do lat. nihil, nada, fruto da doutrina materialista - significa ausência de toda a crença. Como a matéria é a única fonte do ser, a morte é considerada o fim de tudo. Os adeptos do materialismo incentivam o gozo dos bens materiais, dizendo que quanto mais usufruirmos deles, mais felizes seremos. Como se vê, a conseqüência do niilismo é a corrida em busca do dinheiro, da projeção social e do bem-estar material.

O Panteísmo - do grego pan, o todo, e Theos, Deus - significa absorção no todo. De acordo com essa doutrina, o Espírito, ao encarnar, é extraído do todo universal; individualiza-se em cada ser durante a vida e volta, por efeito da morte, à massa comum. As conseqüências morais dessa doutrina são semelhantes às do materialismo, pois ir para o todo, sem individualidade e sem consciência de si, é como não existir.

O Dogmatismo Religioso afirma que a alma, independente da matéria, é criada por ocasião do nascimento do ser; sobrevive e conserva a individualidade após a morte. A sua sorte já está determinada: os que morreram em "pecado" irão para o fogo eterno; os justos, para o céu, gozar as delícias do paraíso. Essa visão deixa sem respostas uma série de anomalias que acompanham a humanidade, como, por exemplo, os aleijões e a idiotia.

O Espiritismo mostra-nos que o Espírito, independente da matéria, foi criado simples e ignorante. Todos partiram do mesmo ponto, sujeitos à lei do progresso. Aqueles que praticam o bem, evoluem mais rapidamente e fazem parte da legião dos "anjos", dos "arcanjos" e dos "querubins". Os que praticam o mal, recebem novas oportunidades de melhoria, através das inúmeras encarnações. (pág. 193-200)

9. QUESTÕES E PROBLEMAS

"As Expiações Coletivas", "O Egoísmo e o Orgulho", "Liberdade, Igualdade e Fraternidade", "As Aristocracias", "Os Desertores" e "Ligeira Resposta aos Detratores do Espiritismo" são os capítulos finais da primeira parte. (pág. 215-261)

PARTE II

10. MISSÃO DE ALLAN KARDEC

Há diversas anotações acerca da missão de Allan Kardec, desde o seu primeiro contato com as "mesas girantes", em 1854, a convite do seu amigo e magnetizador Fortier, até os "Meus Trabalhos Pessoais e Conselhos Diversos", em 4 de julho de 1868.

Citemos algumas dessas comunicações: "Meu Guia Espiritual", 25 de março de 1856; "Primeira Revelação de Minha Missão", 30 de abril de 1856; "Minha Missão", 7 de maio de 1856; "A Tiara Espiritual", 6 de maio de 1857; "Primeiro Anúncio de uma Nova Encarnação", 17 de janeiro de 1857; "Fundação da Sociedade Espírita de Paris", 1º de abril de 1858; "Duração de meus Trabalhos", 24 de janeiro de 1860; "Futuro do Espiritismo", 15 de abril de 1860; "Auto-de-fé de Barcelona", 9 de outubro de 1861; "Meu Sucessor", 22 de dezembro de 1861; "A Nova Geração", 30 de janeiro de 1866; "Instruções para a Saúde do Sr. Allan Kardec", 23 de abril de 1866; "Regeneração da Humanidade", 25 de abril de 1866; "Meus trabalhos pessoais. Conselhos Diversos", 4 de julho de 1868. (pág. 266-336)

11. PROJETO 1868

Allan Kardec, com receio de que pudesse acontecer com o Espiritismo o mesmo que aconteceu com o ensinamentos de Jesus, que se perdeu e gerou muitos cismas, ele procurou organizá-lo de tal maneira que não pudesse deixar dúvida sobre a sua unidade. Dizia que o estabelecimento teórico da Doutrina e os meios de propagá-la eram os dois elementos que concorriam substancialmente para o progresso do Espiritismo. (pág. 340-341)

12. ENSINO ESPÍRITA

"Um curso regular de Espiritismo seria professado com o objetivo de desenvolver os princípios da ciência e de propagar o gosto pelos estudos sérios. Esse curso teria a vantagem de fundar a unidade de princípios, de fazer adeptos esclarecidos capazes de difundir as idéias espíritas, e desenvolver um grande número de médiuns. Eu olho esse curso como podendo exercer uma influência capital sobre o futuro do Espiritismo, e sobre as suas conseqüências". (pág. 342)

13. CONSTITUIÇÃO DO ESPIRITISMO

Os tópicos analisados são: "Considerações Preliminares", "Dos Cismas", "O Chefe do Espiritismo", "Comissão Central", "Instituições Acessórias e Complementares da Comissão Central", "Amplitude de Ação da Comissão Central", "Os Estatutos Constitutivos", "Do Programa das Crenças", "Vias e Meios" e "Allan Kardec e a Nova Constituição". (pág. 345-382)

14. PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA DOUTRINA

"A ciência, disse Allan Kardec, está chamada a constituir a verdadeira gênese segundo as leis da Natureza".

"As descobertas da ciência glorificam a Deus em lugar de rebaixá-lo; não destroem senão o que os homens edificaram sobre as idéias falsas que se fizeram de Deus".

"O Espiritismo, caminhando com o progresso, não será jamais ultrapassado, porque se novas descobertas lhe demonstrarem que estava no erro sobre um ponto, modificar-se-á sobre esse ponto; se uma nova verdade se revela, ele a aceita." (A Gênese, pág. 39.) (pág. 389-390)

15. CONCLUSÃO

Allan Kardec deixa-nos um legado para a eternidade. O Espiritismo ainda é combatido por muitas religiões. Contudo, quando a Humanidade se compenetrar de sua verdades incontestes a ele se renderá naturalmente.

KARDEC, A. Obras Póstumas. 15. ed. Rio de Janeiro: FEB, 1975.

São Paulo, julho de 2008




mapa do site | página inicial | pesquisa no site